Digestão no intestino doente

O intestino é um dos responsáveis por obter, dos alimentos ingeridos, os nutrientes necessários às diferentes funções do organismo, como crescimento, reprodução, locomoção, e manutenção das funções vitais. No intestino delgado ocorre a absorção dos produtos de degradação dos alimentos como os aminoácidos, ácidos graxos e monossacarídeos. As células do intestino funcionam como uma barreira, oferecendo proteção contra patógenos, e permitindo a entrada dos nutrientes, além de atuar na modulação do sistema imune.

 

Você sabia que quando as células intestinais sofrem algum tipo de injúria todo o organismo pode ser afetado?

 

Confira abaixo mais informações sobre o impacto de um intestino doente na saúde intestinal como um todo.

 

Qual a interação do organismo com o alimento e o processo da nutrição?

A alimentação pode ser considerada como um dos fatores comportamentais que mais influencia a qualidade de vida, através da digestão, absorção, utilização de energia e nutrientes (metabolismo) e reaproveitamento ou eliminação de escórias ou subprodutos de catabolismo. É preciso nutrir o organismo adequadamente, isto é, orientar a ingestão adequada de alimentos, em quantidade e qualidade, a fim de que ele receba todos os nutrientes essenciais ao seu bom funcionamento e ainda garantir que estes alimentos sejam bem digeridos, absorvidos e utilizados.

As proteínas possuem funções reconstrutivas e nutritivas, é fundamental para reparação e nutrição dos músculos, reconstruindo tecidos e promovendo o seu crescimento. Além disso, atuam no sistema imunológico, no sistema complemento, ativando-se em cascata e realizando a opsonização de antígenos e a lise celular a partir de formação do complexo de ataque à membrana.

Os carboidratos formam o grupo de biomoléculas mais abundantes do planeta e ppor muito tempo acreditou-se que sua função era apenas energética, por se tratar da principal fonte de energia de seres vivos, mas os carboidratos podem atuar como o reconhecimento e a sinalização celular, e também como anticoagulantes e antitrombóticos.

Os lipídios podem ser metabolizados gerando energia, ou armazenados na forma da gordura no interior dos adipócitos.

 

Um intestino saudável e funcional

Os alimentos, unidos pelo efeito das contrações dos músculos gástricos, são misturados aos sucos gástricos, que os diluem e os transformam em quimo fluido. O intestino delgado tem por missão principal completar a digestão do quimo. A maioria dos nutrientes é absorvida pela mucosa do intestino delgado, de onde passam para a corrente sanguínea.

Aminoácidos e açúcares atravessam as células do revestimento intestinal e passam para o sangue, que se encarrega de distribuí-los a todas as células do corpo. O glicerol e os ácidos graxos resultantes da digestão de lipídios são absorvidos pelas células intestinais e são convertidos em lipídios que são secretados nos vasos linfáticos das vilosidades intestinais, atingindo a corrente sanguínea.

 

Os alimentos complexos serão transformados em elementos simples através da lipólise, proteólise e hidrólise dos carboidratos. Essa quebra dos nutrientes é realizada através de diversas enzimas presentes no TGI. 

 

A última etapa da digestão ocorre no cólon, onde a mucosa da região não permite mais a absorção dos nutrientes, sendo responsável pela formação das fezes consistentes, que serão eliminadas pelo reto várias vezes ao dia.

 

Qual a importância da integridade fisiológica e funcional do trato gastrintestinal (TGI)?

A ingestão do alimento não garante que seus nutrientes consigam ser aproveitados. A absorção dos nutrientes pode ser alterada por:

  • má absorção, 
  • interação entre os nutrientes, 
  • alteração da permeabilidade intestinal e 
  • pela disbiose intestinal. 

Para que ocorra de uma forma adequada, é necessário equilíbrio entre a quantidade e qualidade de nutrientes, e boas condições químicas, bioquímicas e fisiológicas. 

 

Se uma dessas etapas não funcionar satisfatoriamente, o corpo apresentará carências nutricionais e funcionais. Existe uma relação fundamental entre o intestino e a saúde, por meio do conceito de permeabilidade intestinal.

 

A Disbiose

A disbiose é um estado onde ocorre desequilíbrio na diversidade da microbiota e há predominância de certas espécies que podem tornar-se patogênicas. Consequentemente, as funções fisiológicas exercidas normalmente pela microbiota são afetadas. No caso da microbiota intestinal, ocorrem alterações na digestão de alimentos, no controle de agentes causadores de doenças e na aquisição de nutrientes. De acordo com a intensidade da desarmonia formada, não só o sistema digestório será afetado, mas os demais também podem sofrer alterações. 

 

Referências

ALMEIDA, Luciana Barros et al. Disbiose intestinal. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, v. 24, n. 1, p. 58-65, 2009.

 

GANDRA, Ana Luiza et al. IMPORTÂNCIA DA MICROBIOTA INTESTINAL E SUA MODULAÇÃO PARA O EMAGRECIMENTO SAUDÁVEL. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, v. 7, n. 8, p. 523-532, 2021.

 

NESI, Gabriela Antoniolli; FRANCO, Mariana Ramos. A disbiose da microbiota intestinal, sua associação no desenvolvimento de doenças neurodegenerativas e seus possíveis tratamentos. 2021.

 

DE SOUSA NETO, José Tavares; VANDESMET, Lilian Cortez Sombra. A IMPORTÂNCIA DA PROTEÍNA NO EXERCÍCIO FÍSICO: UMA REVISÃO LITERÁRIA. Encontro de Extensão, Docência e Iniciação Científica (EEDIC), v. 3, n. 1, 2017.

 

DINIZ, Lílian Martins Oliveira; FIGUEIREDO, Bruna de Campos Guimarães. O sistema imunológico do recém-nascido. 2014.

 

PASSOS, Kamila dos et al. O tema carboidratos através da metodologia de estudos de caso: desenvolvimento de conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais. Química Nova, v. 41, p. 1209-1217, 2018.

 

POMIN, Vitor Hugo; MOURÃO, P. A. S. Carboidratos. Ciência Hoje, v. 35, n. 233, p. 24-35, 2006.

 

FROSSARD, Thaisa Netto Souza Valente; BIOQUÍMICA-UFJF-GV, Farmacêutica. Metabolismo de Lipídios.